Exitoína
Facebook ExitoínaTwitter ExitoínaYoutube ExitoínaInstagram ExitoínaTelegram Exitoína
Cinema » ESPECIAL

AIDS: A evolução da luta contra a doença no cinema e na TV

Relembre filmes e séries que retratam a doença desde o seu surgimento até os dias atuais

Redação Publicado em 02/12/2019, às 13h00

The Normal Heart, Pose e Clube de Compras Dallas são algumas das produções sobre HIV/AIDS no cinema e na TV
The Normal Heart, Pose e Clube de Compras Dallas são algumas das produções sobre HIV/AIDS no cinema e na TV - YouTube

Todo dia 1º de dezembro é marcado por ser uma data voltada à conscientização em relação à prevenção e o combate ao HIV e à AIDS e, no último domingo, não foi diferente. Já se passaram cerca de 40 anos desde que os primeiros casos de infecção pelo vírus se manifestaram e ainda há muitas informações difusas e preconceituosas sobre o assunto, principalmente entre os mais jovens e os mais conservadores.

Não há certeza de quando o Vírus da Imunodeficiência Humana, ou HIV, surgiu, mas houve uma manifestação maior entre homens gays, homens que fazem sexo com homens (HSM) e mulheres transexuais nos primeiros anos da década de 1980.

+ Leia mais: 10 filmes sobre ativistas LGBTQIA+ que você precisa assistir

Silencioso e sem tratamento eficiente à época, o vírus era responsável por destruir o sistema imunológico dos portadores e abrir as portas para a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, a AIDS, doença que levou muitas pessoas à morte nos anos seguintes à sua aparição.

Considerado uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST), por seu meio de transmissão mais comum ser o sexo, o HIV gerou pânico entre as décadas de 1980 e 1990 por conta de seu poder destrutivo, além de construir preconceitos e estigmas que se mantém até hoje, quando o tratamento do vírus já está bem mais avançado e garante aos seus portadores a possibilidade de viver uma vida normal apesar da IST, inclusive prevenindo-os de desenvolver a AIDS em qualquer estágio da infecção.

+ Leia mais: Jonathan Van Ness, de Queer Eye, fala sobre diagnóstico positivo para HIV

No cinema e na TV, o tema já foi abordado em diversas produções e, inspirados pelo Dia Mundial do Combate à AIDS, nós separamos algumas delas e remontamos uma trajetória do HIV e da AIDS em filmes e séries que mostram a evolução da luta e as conquistas positivas que salvaram vidas, mudaram outras e ajudaram a desmitificar o assunto. Confira:

+ Leia mais: Rachel Weisz é escalada para interpretar Elizabeth Taylor em cinebiografia que retratará ativismo da atriz contra a AIDS

The Normal Heart

Dirigido por Ryan Murphy (Pose, American Horror Story), o longa retrata o começo da epidemia de AIDS em Nova York, além de trazer um recorte bastante específico da doença: o de que ela seria um "câncer gay", ou seja, que se manifestava apenas entre os membros da comunidade LGBTQIA+ da época, principalmente em gays, homens que fazem sexo com outros homens (HSH; homens bissexuais ou que se identificam socialmente como heterossexuais) e transexuais.

O estigma, que levou esse grupo a ser tratado por muitos anos, de forma preconceituosa, como um grupo de risco, retardou em muito as discussões sobre prevenção e investimentos no desenvolvimento para tratamentos da infecção, resultando em diversas mortes e pânico entre os portadores do HIV.

+ Leia mais: A história de Jacqueline Rocha Côrtes, ativista pela saúde LGBTQIA+, e a de outros ícones da comunidade retratadas em documentários

Filadélfia

Com poucas informações acerca do HIV e o medo pelos efeitos devastadores da AIDS nas pessoas que desenvolviam a doença, o preconceito com portadores do vírus tornou-se habitual à época de suas primeiras manifestações.

Em Filadélfia, a questão social do HIV é tratada através da história de Andrew Beckett (Tom Hanks), um querido advogado que acaba demitido após seus chefes descobrirem que ele é HIV positivo e, sem tratamento, apresenta os primeiros sintomas da AIDS.

Vítima de preconceito, o jovem vai à Justiça, representado por Joe Miller (Denzel Washington), um advogado secretamente homofóbico, provar que foi dispensado por ser gay e portador do vírus.

+ Leia mais: Jonathan Van Ness diz que diagnóstico de HIV não impactou negativamente sua vida

Clube de Compras Dallas

Vencedor de três Oscar em 2014, Clube de Compras Dallas é um importante filme sobre o assunto por dois motivos: é inspirado na história de Ron Woodroof, um homem heterossexual que é diagnosticado com a AIDS em 1985, no auge da epidemia da doença nos Estados Unidos, ajudando a combater o estigma de que a doença se manifestaria apenas em meio à comunidade LGBTQIA+, e mostra as primeiras evoluções no tratamento do HIV e da AIDS que permitem aos seus portadores uma vida mais duradoura.

Decidido a não aceitar a sentença de morte, ao descobrir que tem apenas mais um mês de vida em decorrência dos efeitos da doença, Ron (Matthew McConaughey) busca formas de sobreviver, com a ajuda da travesti Rayon (Jared Leto).

Ao perceber que o tratamento ao qual os pacientes com a doença estão sendo submetidos não tem resultados positivos no diagnóstico, Ron, outrora um homem extremamente preconceituoso, vai atrás de meios alternativos de tratamento e cria uma rede de distribuição alternativa de remédios para combater a doença.

+ Leia mais: Clube de Compras Dallas e outros filmes sobre a iminência da morte

Angels in America

Clássico da Broadway, a peça teatral escrita por Tony Kushner tornou-se um sucesso ao tratar do tema com um misto de drama, comédia e fantasia e foi adaptada para uma minissérie na HBO em 2003, estrelada por Al Pacino, Mary-Louise Parker, Patrick Wilson, Emma Thompson, Michael Gambon e Meryl Streep, entre outros.

Na trama, Prior Walter (Justin Kirk) acaba abandonado por seu namorado de quatro anos, Louis Ironson (Ben Shenkman), após revelar ser portador do HIV para o namorado, que é sorodiscordante e não sabe lidar com a situação. A história se desenvolve sob o mandato de Ronald Reagan como presidente dos Estados Unidos, lembrado por ter ignorado o perigo da doença.

Há também a história de Roy Cohn (Al Pacino), apoiador de Reagan, um homossexual no armário que também é diagnosticado com AIDS e finge iniciar um tratamento de câncer para que sua condição verdadeira não seja revelada. Rico, ele tem acesso a tratamentos que a maioria não tem e os remédios que obtém acabam parando em uma das redes de pessoas e grupos que começam a surgir no intuito de prevenir e tratar a doença e exigir medidas combatitivas do poder público.

+ Leia mais: Além de Linn da Quebrada: cantoras trans e negras para não tirar da playlist

Pose

Uma dessas redes é a ACT UP - AIDS Coalition to Unleash Power (ou A Coalização de Aids para Liberar o Poder, em tradução livre), grupo político de base internacional fundado em 1987 com o intuito de combater a epidemia de AIDS e melhorar a vida dos portadores da doença através de ações diretas, como a busca por tratamentos, pesquisas médicas e a luta por políticas públicas.

A rede aparece na segunda temporada de Pose, série criada por Ryan Murphy, Brad Falchuk e Steven Canals que aborda o cenário LGBTQIA+, as comunidades afro e latino-americanas e a cultura ballroom dos anos 1980 e 1990, além de, é claro, também abordar a epidemia de AIDS que ocorria na época, com alguns de seus personagens principais, como Blanca Evangelista (MJ Rodriguez) e Pray Tell (Billy Porter), sendo portadores do vírus HIV.

A série tem como uma de suas referências o documentário Paris Is Burning, lançado na década de 1990, que ganhará uma nova versão em 2020.

+ Leia mais: Paris is Burning, documentário referência na comunidade LGBTQIA+, será relançado com uma hora de cenas inéditas

120 Batimentos Por Minuto

A ACT UP é retratada de forma ainda mais profunda neste filme de 2017, mas com o foco na organização do grupo na França, no início da década de 1990.

120 Batimentos Por Minuto foca no ativismo do grupo, em protestos e manifestações não só pelo combate à doença, mas para chamar a atenção da mídia e da sociedade para a causa, métodos de prevenção e incentivar o investimento em tratamentos.

 + Leia mais: Além de RuPaul: drag queens que fizeram história

Malhação

Exibida no começo dos anos 2000, a 6ª temporada de Malhação apresentou a história de Erica, interpretada por Samara Felippo, que acaba infectada com o HIV pelo ex-namorado. Em um novo relacionamento com Touro (Roger Gobeth), Erica sofreu, mas acabou descobrindo que era possível viver normalmente com o vírus caso seguisse o tratamento de forma adequada. Dessa forma, a garota pode viver sua vida ao lado do amado, com quem chegou a se casar ao fim da trama.

Em 2016, a novela voltou a introduzir um personagem HIV positivo, o jovem Henrique (Thales Cavalcanti), que já nasceu com vírus, transmitido pela mãe durante a gravidez. No entanto, a nova abordagem gerou críticas entre ativistas da causa: em um episódio, o jovem esbarra em uma colega, que acaba ferida. Desesperada, a menina vai à enfermaria do colégio e o médico a receita um coquetel de medicamentos contra o HIV, que no Brasil leva o nome de Profilaxia Pós-Exposição (PEP).

+ Leia mais: Artistas internacionais que mais apoiam causas LGBTQIA+

Porém, o uso do coquetel só é recomendado quando há real exposição ao vírus, como em relações sexuais desprotegidas ou no caso de rompimento da camisinha, por exemplo. Outra questão pontuada é que Henrique também toma o coquetel de remédios e, por isso, sua carga viral é indetectável, ou seja, o HIV não está ativo em seu corpo, o que diminui a quase zero as chances do jovem transmitir o vírus em qualquer situação.

Os erros foram acertados ao longo da trama e Henrique, inclusive, chegou a protagonizar a série derivada Eu Só Quero Amar, focada no relacionamento do jovem com a namorada Camila (Manuela Llerena), que era sorodiscordante e não possuía o vírus.

+ Leia mais: Cyndi Lauper receberá prêmio da ONU por seu trabalho em defesa da comunidade LGBTQIA+

Tales of the City

A temporada mais recente da série, lançada em junho deste ano pela Netflix, também apresentou um casal sorodiscordante, formado por Mouse Tolliver (Murray Bartlett) e Ben Marshall (Charlie Barnett).

Mouse convive com o vírus há alguns anos, sempre em tratamento, e sua carga viral é indetectável, o que possibilitaria que ele tivesse relações sexuais com o namorado sem camisinha, já que, além das chances reduzidas de transmissão do HIV, Ben também toma Profilaxia Pré-Exposição (PrEP), o mesmo coquetel de remédios tomado pelo namorado, mas que age na prevenção da infecção quando a pessoa não tem o vírus.

No entanto, apesar do incentivo de Ben, Mouse tem problemas para se livrar do medo de, por qualquer descuido, acabar infectando o namorado.

+ Leia mais: Anna Madrigal, de Tales of the City, e outros personagens LGBTQIA+ na terceira idade em filmes e séries

BÔNUS

Carta Para Além dos Muros

A Netflix estreou, na última sexta-feira (29), o documentário Carta Para Além dos Muros, que retrata o surgimento e a evolução do HIV e da AIDS no Brasil, desde a década de 1980.

O longa conta com a participação de profissionais, ativistas e membros da comunidade LGBTQIA+ e mostra como a epidemia afetou o país, gerou preconceitos e tirou vidas, inclusive as de ídolos da nação como Cazuza e Renato Russo, antes de ser combatida com o tratamento antirretroviral oferecido gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), que ao longo dos anos foi reconhecido com um dos programas mais eficientes no tratamento a portadores do vírus HIV do mundo.

 


+ Em momentos estressantes ou que exigem grande concentração, nada como relaxar a mente para terminar as tarefas do dia. Para te ajudar, separamos 5 playlists incríveis que vão te ajudar a manter o foco e dar mais energia na sua rotina. 

  • Desacelerando: Para começar a acalmar os pensamentos e embarcar no trabalho com maior produtividade, nada melhor do que ouvir músicas que ajudem a relaxar. 
  • Mellow 70s Gold: Trabalhe ouvindo músicas nostálgicas que tocavam na rádio na época de 1970.
  • Café, MPB e trabalho: Para focar nos prazos e compromissos do trabalho, essa lista com as melhores do nacional vai te dar um empurrãozinho.
  • Home Office: Essa lista é perfeita para quem adora as bandas indies com estilo mais alternativo na batida.
  • Classical For Focus: Com atenção redobrada, esta playlist conta com músicas de concerto clássico para não se distrair e tem sons instrumentais que irão estimular o cérebro no foco do trabalho. 

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Exitoina pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.


Exitoína agora está no Telegram! Você quer ficar por dentro de todas as novidades? Acesse https://t.me/exitoinabrasil e não perca mais nada!