Exitoína
Facebook ExitoínaTwitter ExitoínaYoutube ExitoínaInstagram ExitoínaTelegram Exitoína
Livros » Livros

Mulheres que estão por trás de grandes conquistas - e talvez você nem saiba!

Livros sobre histórias de mulheres que estão por trás de grandes conquistas

Redação Publicado em 08/03/2020, às 13h48

Mulheres que estão por trás de grandes conquistas - e talvez você nem saiba!
Mulheres que estão por trás de grandes conquistas - e talvez você nem saiba! - Reprodução/Amazon

Ao longo da História, pudemos presenciar inúmeras descobertas e experimentos que mudaram nossas vidas nas mais diversas áreas - seja na tecnologia, na ciência, na física, entre muitas outras. O fato curioso é que, quando procuramos saber mais sobre esses feitos, a grande maioria dos nomes de impacto que encontramos são apenas de homens.

Problemas relacionados à questões de gênero sempre estiveram presentes na nossa sociedade. Antigamente, mulheres dedicadas à ciência eram apenas consideradas “assistentes” dos homens, e tinham suas conquistas desmerecidas ou apagadas pelo machismo. Por isso, hoje, no Dia Internacional da Mulher, reunimos algumas histórias de mulheres que contribuíram e foram essenciais para o desenvolvimento da humanidade, mas não receberam os devidos créditos. Confira:

 

  • Mileva Maric:

 

Primeira mulher a estudar física durante o Império Austro-Húngaro, em 1896, Mileva também tornou-se a primeira a estudar no Instituto Politécnico, na Suíça. Foi lá que conheceu Albert Einstein que, mais tarde, se tornou seu marido. O que muita gente não sabe é que Einstein não era tão bom aluno assim - e quem o ajudava a resolver os exercícios de classe era Mileva. 

Na primeira versão que Einstein publicou sobre a teoria da relatividade, o nome de Mileva aparecia como como sua co autora, mas desapareceu nas edições seguintes. No entanto, em diversas cartas trocadas pelo casal e encontradas por historiadores, Einstein refere-se à teoria como “nosso trabalho”. Apesar de ter contribuído essencialmente na teoria, a física teve seu mérito excluído.

 

  • Jocelyn Bell Burnell:

 

Nascida em 1943 na Grã-Bretanha, a astrofísica tornou-se responsável por uma das descobertas mais importantes da astronomia na década de 1960, que mudou a visão de pesquisadores sobre o Universo: os Pulsares, estrelas de nêutrons que transformam energia rotacional em energia eletromagnética. 

No ano de 1974, sua descoberta ganhou o Prêmio Nobel de Física, mas seu nome não foi mencionado na homenagem. Apenas em 2018 a cientista teve seu trabalho reconhecido e ganhou US$ 3 milhões no Prêmio Especial de Inovação em Física Fundamental, do Breakthrough of the Year. A quantia foi doada para o Instituto Britânico de Física, com o intuito de criar bolsas de estudos. Hoje, aos 75 anos, Jocelyn é professora na Universidade de Oxford.

 

  • Marie Curie

 

Nascida em Varsóvia, na Polônia, em 1867, Marie Curie sempre teve interesse na área da ciência. Conhecida como a “mãe da Física Moderna”, foi a primeira - e única - mulher a ganhar o Prêmio Nobel duas vezes: a primeira em 1903, em Física, por descobrir a existência da radioatividade natural; e a segunda em 1910, em Química, por descobrir dois novos elementos químicos, o polônio e o rádio. 

Sua descoberta foi extremamente importante para a ciência e, após a morte de Pierre, seu marido e parceiro de trabalho, Marie passou a lecionar e realizou diversas outras descobertas - entre elas o radiógrafo, equipamento utilizado na Primeira Guerra Mundial.

 

  • Caroline Herschel

 

Conhecida por ser a primeira mulher astrônoma da História, Caroline Herschel nasceu em 1750, na Alemanha. Aos 10 anos de idade contraiu tifo, e a doença acabou afetando seu crescimento. Por acreditar que nunca conseguiria de casar, sua mãe sempre insistiu para que fosse treinada para ser uma governanta. 

No entanto, após a morte de seu pai, mudou-se para a Inglaterra com seu irmão, William, que era apaixonado por astronomia e matemática - e fez com que a jovem também aprendesse sobre os dois temas. Em 1781, os dois irmãos descobriram, juntos, a existência do planeta Urano. William tornou-se reconhecido no meio científico e nomeado astrônomo do tribunal, com Caroline sendo sua assistente. Anos depois, foi a primeira mulher a descobrir cometas e, em seguida, passou a receber salário pelos seus serviços como astrônoma do rei. Em 1835, consagrou-se como membro da Real Sociedade Astronômica de Londres.

 

  • Rosalind Franklin

 

Nascida em Londres no ano de 1920, Rosalind Franklin sempre se destacou nas aulas de ciência. Contrariando a vontade de seus pais, decidiu seguir a profissão aos 15 anos, e estudou física-química na Universidade de Cambridge. Tornou-se uma pesquisadora renomada na área de biologia molecular, graças ao seu trabalho sobre a difração dos raio-x e a descoberta do formato helicoidal do DNA. 

Em 1953, seu projeto foi roubado por Maurice Wilkins, seu colega de trabalho. Cinco anos depois, Franklin faleceu devido a um câncer no ovário, e nunca teve a verdadeira história de suas descobertas revelada em vida.

Para saber mais histórias de mulheres incríveis na ciência, confira essas dicas de livros disponíveis na Amazon:

1. As cientistas: 50 mulheres que mudaram o mundo 

2. Mulheres que ganharam o Prêmio Nobel em Ciências

3. Mulheres na luta: 150 anos em busca de liberdade, igualdade e sororidade: 

4. Histórias de ninar para garotas rebeldes: 

 

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a Exitoína pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Exitoína agora está no Telegram! Você quer ficar por dentro de todas as novidades? Acesse https://t.me/exitoinabrasil e não perca mais nada!